quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Cidade tropical, clima dos infernos, preço europeu


Tem uma semana que cheguei de Portugal depois de dois anos e meio sem voltar a terrinha. Estava morrendo de saudades, mas sabia que algumas coisas iriam me incomodar bastante, aliás, já incomodavam antes deu sair do país.

O calor anda insuportável e, mesmo querendo muito, ainda não consegui ir a praia. Deu no jornal, que hoje o Rio de Janeiro teve a segunda maior temperatura do mundo, isso significa, que, nesse verão, talvez seja melhor morar no deserto. Já viu né… Fiquei curiosa pra saber onde foi a maior temperatura, mas não falaram…

Mas não é o clima o que mais tem me afligido por aqui. Quando eu ainda estava em Lisboa, todo mundo já comentava sobre as altas temperaturas, inclusive os telejornais. Além disso, também estava farta daquele frio, detesto ter que colocar um monte de roupas, meias e acessórios. E, da mesma forma que estamos passando pelo pior verão dos últimos tempos, a Europa passa pelo pior inverno.

O que me causou um impacto muito grande foi o preço das coisas. Eu tinha noção disso, sabia inclusive, que, mesmo convertendo do euro pro real, alguns produtos continuavam mais caros no Brasil. Mas a situação está muito pior! Nem imagino como pobre sobrevive. Qualquer camisetinha básica de malha, qualquer latinha de sardinha, tudo uma fortuna! Dez reais não valem nada. O impulso imediato é pegar o primeiro avião de volta.

A cidade está suja, não se tem segurança em lugar nenhum, os impostos são altos, mas a qualidade de vida desce cada vez mais. Uma pena, a cidade é linda e já foi maravilhosa… não é mais…

3 comentários:

Rosa Lopes disse...

Eu fiz questão de ler o seu último parágrafo pra o meu querido, pq ele é do tipo memória curta, sabe? E fala q na Europa tá horrível também bla, bal, bla...É pode até tá sai no jornal a situação, mas aí vem o choque...
Eu: pois é eu não volto!!!
Querido: eu volto!!Não passo os resto dos meus dias em país dos outros.

Pode?
Bj

Cris disse...

Pra vcs então, q moram há muito anos fora...

Nós temos noção de q o Brasil jamais vai nos oferecer a qualidade de vida q poderíamos ter em Portugal e olha q Portugal ainda tem muito o q melhorar. A questão é q lá, qq um q queira trabalhar consegue ter o padrão de vida q aqui nós chamamos de classe média alta (e q é muuuuuuuito duro de atingir).

Nós voltamos pq a solidão estava insuportável, pq a família faz muita falta e pq, no futuro próximo, meus pais e meus sogros vão querer babar de perto os netinhos. Mas, pra vcs (e principalmente pro seus filhos) q já estão "adaptados ao mundo", não aconselho, não.

obs: não se esqueça q minha visão é Rio/Lisboa. Há quem diga, por exemplo, q Minas tá ótimo.

NAVEGADORES DA RAZÃO disse...

E vc sabe que eu tentei, né? Tentei por um ano e meio, até estava pra comprar casa e tudo mais, frustrar meus planos de ter mais filhos, etc, mas não dá pra gente vender a alma desse jeito, não dá!!!Aí voamos...

Hoje vejo minhas amigas com uma falta de tempo eterna, eu entendo, são dois, até três empregos pra sobreviver, elas são o espelho do que eu poderia ter sido. E mesmo que elas se considerem felizes, eu prefiro as minhas doideras de filho no peito mamando e mochila nas costas...Afinal viver nunca foi preciso.

Estranho vc falar de solidão em Pt, eu ainda tenho aquela ilusão de que se tivesse ficado aí não teria que a cada minuto racionalizar motivos para gostar de onde fincamos a âncora.

O meu último é: o pão para hotdog é do mesmo tamanho da salsicha independente da marca de ambos. Lindo!

PS: pq os meus links não aparecem?

Etiquetas